Dormir bem é tão importante quanto beber água e comer

Os cuidados com o sono são importantes para quem quer manter uma vida saudável. Em entrevista ao Cidade Verde Notícias desta segunda-feira (21), a psicóloga do sono Kislley Urtiga disse que dormir bem é tão importante quanto beber água e comer. A especialista ainda alertou para doenças que a falta de sono podem causar.

“Não dormir ocasiona diversas doenças, desde as cardiovasculares, diabetes, a própria obesidade”, disse a psicóloga, ressaltando que o corpo de quem não dorme bem, não funciona bem.

A especialista explica que é importante cada um entender a função do sono e saber o que pode estar fazendo com que essa pessoa não durma bem.

Tomar café pode atrapalhar. A psicóloga conta que a cafeína fica no organismo por sete horas e tem seu efeito potencializado pelo cigarro. Refrigerante, chocolate e alguns chás também possuem estimulantes que ajudam a manter a pessoa acordada.

O horário da atividade física é outro fator estimulante. O recomendado é se exercitar duas a três horas antes de dormir. Além disso, comer muito à noite pode atrapalhar, bem como a luz de equipamentos eletrônicos.

Confira os sinais de quem não dorme bem

Enquanto uns dormem pesado a noite toda, outras pessoas costumam despertar com qualquer barulho. Mas o que diferencia os segundos dos “bons de cama”? Especialistas indicam que hábitos, genética e algumas doenças, como depressão e ansiedade, são questões decisivas para ter ou não uma restauradora noite de sono.

“Uma pessoa que não consegue aprofundar muito o sono ou desperta várias vezes durante a noite pode ter alguma predisposição genética, problemas emocionais, psicológicos ou hábitos inadequados”, afirma Rosana Cardoso Alves, neurologista e especialista em medicina do sono.

A médica explica que, de modo geral, um adulto deve dormir entre 7 e 9 horas por noite, com ciclos de sono compostos por quatro fases: 1, 2, 3 e REM (sigla em inglês para movimento rápidodos olhos). Nas três primeiras, o corpo sai do estado de vigília e entra aos poucos em um processo de desaceleração do metabolismo (temperatura e batimentos cardíacos caem e a respiração fica mais leve), mas é no REM que entramos no sono profundo.

É nesta etapa, que dura entre 20% e 25% da noite, em que acontecem sonhos, picos de pressão e de batimentos cardíacos e descargas de adrenalina.

Sono leve?

O sono que chamamos de leve, portanto, é o que a medicina entende como a primeira fase, onde há mais chances de despertar e que deve durar apenas 10% da noite. De acordo com a médica Lia Bittencourt, especialista da Associação Brasileira do Sono, ficar muito tempo na etapa de sono leve pode ser sinal de ansiedade ou depressão.

“O depressivo acorda no meio da noite e fica com pensamentos ruins ou acorda cedo demais”, diz.

Os ansiosos, por sua vez, aproveitam o silêncio das primeiras horas de vigília para pensar nos problemas, planos ou compromissos do dia seguinte. Nesses casos, diz Bittencourt, é importante não usar remédios para dormir, mas procurar um especialista para, primeiro, tratá-las com psicoterapia e, se necessário, medicamentos para esta finalidade. “Se não tratarmos a doença, vira um ciclo vicioso, porque quanto menos você dorme, pior fica a ansiedade e a depressão”, diz.

Mudanças de hábito, como levantar e anotar as ideias para não ficar pensando nelas durante a noite ou fazer exercícios de relaxamento, também são válidas.

Dormir rápido também é mau sinal

Nem sempre “dormir como uma pedra” é sinal de que está tudo bem. Ficar pouco tempo na fase 1 do sono, por exemplo, pode indicar que ele não tem sido de qualidade.

Como ter uma noite bem dormida

Para quem não consegue descansar durante a noite, o primeiro passo, segundo as especialistas, é mudar alguns hábitos. “É importante acertar um pouco a rotina e estabelecer horários para dormir e levantar, evitar chá preto, café e outros estimulantes à noite, retirar elementos eletrônicos do quarto e reduzir, na medida do possível, os ruídos”, afirma a médica do Fleury.

Uma hora antes de ir para a cama, as médicas recomendam a diminuição da luz e dos estímulos visuais, como os de computadores e smartphones, além de evitar alimentos pesados no jantar. Praticar esportes pouco antes de ir para a cama ou ingerir álcool também podem afetar a qualidade do sono.

“Se você perdeu o sono ou está demorando para dormir, eu recomendo sair da cama e fazer uma atividade relaxante, como ouvir uma música calma ou fazer meditação. Quando começar a sonolência, você volta para a cama “, diz Bittencourt. “Ficar ali acordado vai potencializando o medo de não dormir”.

 

Fonte: Uol Notícias

O coaching e a busca por uma vida em equilíbrio

artecoach

Processo de coaching foca no desenvolvimento pessoal

Todo o ser humano tem suas necessidades e precisa de suporte, seja interno ou externo, para alcançar aquilo que é ideal para seu próprio desenvolvimento enquanto ser humano. Mas para mudar a situação, cada indivíduo precisa ser entendido e orientado devidamente. Seus medos, anseios e dificuldades necessária ser analisados.

Vencer bloqueios, superar crenças limitantes, ultrapassar traumas, equilibrar emoções, mobilizar forças, alimentar motivações, ativar a resiliência? O Coaching e a Psicologia são duas metodologias eficazes para identificar esses e outros aspectos, servindo como apoio no processo evolutivo. Mas cada uma age de uma forma, não devendo, portanto, serem confundidas.

A Psicologia é uma ciência que ajuda o individuo a conhecer-se, resolver seus conflitos internos, analisar comportamentos e a transformar situações desconfortantes em crescimento e mudança. O grande diferencial é que a psicologia procura enquadrar o passado do indivíduo para melhorar o presente e construir o futuro. O bem-estar da pessoa é mantido em foco, enquanto o processo se desenvolve. No consultório de psicologia, o profissional pode trabalhar não apenas com objetivos específicos, como a resolução de um problema, mas também com questões mais gerais ou existenciais como o sentido da vida e o significado profundo de relações interpessoais.

Já o Coaching, é o processo que propõe e acompanha as mudanças. Um sistema baseado na relação harmônica, edificante e construtiva entre o profissional de Coaching (coach) e seu cliente (coachee). O papel do Coach é facilitar uma renovação dos valores e recursos do cliente, ao mesmo tempo em que se desenvolvem novas habilidades para enfrentar os desafios do ambiente ao qual ele está inserido. Proporciona ao cliente uma estrutura de apoio e feedback ao mesmo tempo. Em outras palavras, ajuda a pessoa a definir e atingir seus objetivos pessoais e profissionais com rapidez e facilidade, não conseguidos de outra forma.

Portanto, a Psicologia foca na doença, na prevenção e na promoção da saúde. O Coaching, no desenvolvimento pessoal e em processos de liderança pessoal.

Uma dúvida bem recorrente é se a pessoa pode fazer psicoterapia e coaching ao mesmo tempo. Podemos dizer que não existe um critério, um padrão, algo que diga exatamente se sim ou não. Isso deve ser inerente à necessidade da pessoa. Existem casos de pessoas que fazem terapia simultaneamente ao coaching. Quem vai determinar isso são os profissionais envolvidos e, em alguns casos, a própria pessoa. Então, dependendo da situação, a pessoa poderá sim estar inserida nos dois processos.
Conseguindo, assim, superar traumas passados com a terapia e caminhar rumo ao futuro com o coaching. Mas, em outros casos, será preciso trabalhar os dois em momentos diferentes. Isso porque a pessoa pode não estar pronta para o coaching, não conseguindo cumprir metas e atingir objetivos se não estiver bem resolvida em determinados aspectos que vem carregando. O ideal nesse caso é ajustar as coisas com a terapia, e só após a um considerável avanço, partir para o coaching.

A Psicoterapia pode tratar e reestruturar, tornando necessário o “preparo de terreno” para o Coaching. Isso porque alguns problemas emocionais que a pessoa enfrenta como fobia, ansiedade e depressão podem interferir negativamente no processo, tendo de ser trabalhados previamente para só depois permitir que o processo de coaching flua.

Não adianta estarmos vivendo um período de realizações profissionais se algo não vai bem em nossa vida pessoal. As experiências frustrantes vivenciadas em casa ou em relacionamentos afetivos, por exemplo, deixam as pessoas desmotivadas e em estado de extremo estresse. Como resultado, tendem a não se concentrar adequadamente nas suas tarefas, além de se sentirem frequentemente cansadas. A busca pelo equilíbrio em todas as áreas é fundamental para garantir sucesso pleno.

O Coaching Integral Sistêmico è um processo orientado à ação focada em resultados específicos. O coaching inclui avaliações, exames de valores, motivação, definição de metas bem elaboradas, tudo isso amparado por um plano de ação bem construído. É voltado para desenvolver competências e remover bloqueios para que o resultado seja alcançado de forma constante, consistente e sustentável na vida pessoal e profissional. Além disso, utiliza ferramentas, conceitos e uma abordagem emocional que são importantes para estabelecer, restaurar, construir crenças que vão possibilitar a realização das metas e objetivos estabelecidos pelo cliente, reestruturar as competências emocionais e diminuir sintomas de bloqueios, entraves emocionais e traumas profundos que impedem o cliente de conquistar seus objetivos e a superação de limites emocionais.

Objetiva principalmente a felicidade do indivíduo e a expansão das suas potencialidades, o que ajudará a alinhar os seus valores e propósitos de vida como um todo. Trata de um método que proporciona mais controle sobre suas próprias vidas, de modo que sejam capazes de fazer as mudanças necessárias para sentirem-se efetivamente realizados. O processo contribui, assim, para que os indivíduos desenvolvam suas habilidades e concretizem objetivos, na medida em que supera os seus obstáculos e limitações e assim, construir um estilo de vida abundante em todos os pilares da sua vida.

Vale ressaltar a importância do coaching de vida, chamado também de life coaching, que é uma modalidade do coaching exclusivamente voltada para a análise e desenvolvimento de todos os pilares da vida (Emocional, espiritual, familiar, conjugal, social, saúde, profissional e financeiro). Este método permite a avaliação do seu grau de realização e felicidade em cada um desses pilares e foca em alinhá-los para atingir o equilíbrio e uma vida abundante.

Polliana Melo
Psicóloga e Coach Integral Sistêmico

Psicoterapia, o caminho para reencontrar-se

psicoterapiag

A alma humana é um solo sagrado no qual é difícil permear. Ir ao psicólogo é, então, desnudar a alma, entregar a uma pessoa “estranha” o que se tem de mais bonito, feio, doloroso, amargo, quente, feliz, são, doente. Coloco o psicólogo como estranho na minha fala para lhes dizer que é o que ele precisa ser. Provavelmente, ninguém vai ao psicólogo (ou se vai não deveria) esperando que ele seja um parente, um amigo e que vai lhe dizer o que você quer ouvir. No fundo ele precisa ser um estranho, para que você entenda-o como alguém imparcial, que estudou para estar naquele lugar e que tem os ouvidos prontos para lhe escutar. Por outro lado, o coloco como pessoa, porque é o que ele é, e precisa ser, para entrar em contato com outra pessoa, sendo empático, honesto, livre (de julgamentos, preconceitos) e humano. Afinal, Jung já nos falava sobre tocarmos uma alma sendo nada mais que outra alma.

A psicoterapia não é um processo rápido e muito menos fácil. Mas o que a torna difícil mesmo é o tempo em inicia-la. O que pode fazer com que alguém, ou nós todos, tenha tanto temor acerca da razão sobre a qual se faz terapia? Poderia ser a falta de problemas, mas essa hipótese já está descartada, visto que psicólogo faz papel de bombeiro sim, quase sempre, mas também pode ser um bom paliativista. O que quero dizer é que por mais íntimo e único que seja o motivo pelo qual procuramos a psicoterapia, muitas vezes só atentamos para o mesmo quando ele explode e faz ferimentos internos bruscos. É óbvio que ninguém gosta de tocar numa ferida, quanto mais na própria ferida, mas e se eu lhes disser que essa ferida pode ser cicatrizada por meio da fala sobre ela? Estranho, não? Seria, se o adoecimento da alma não fosse algo ao qual estamos todos propensos diariamente, humanos que somos.

O exercício de se observar e falar sobre si só compete a nós mesmos. E é justamente esse exercício, praticado em psicoterapia, que nos permite o aprendizado diário sobre nós. Não sobre quem somos, mas sobre quem estamos. Não que nossa característica de ESTAR nos impeça de SER, ao contrário, ela também nos permite ser passageiros onde não vale mais a pena demorar. Esse processo demorado e que pode ser denso, é também libertador. Aceitar quem somos/estamos nos dá a possibilidade vigente da vida: dar conta de si mesmo e se perdoar. Se transformar. Se querer. Se gostar. Provavelmente, nesse caminho, também precisemos perdoar os outros, afinal, esse momento é, principalmente, para nos responsabilizarmos pela nossa vida, pelas nossas escolhas e quando fazemos isso, vamos tirando vendas que cobriam nossos olhos e nos faziam culpar tais outros por nós mesmos.

A psicoterapia nos permite caminhar a partir do incômodo que nos faz chegar até ela. Se não estiver sendo assim, reveja tudo: o processo, o profissional, mas, especialmente, reveja a si mesmo. Na tentativa de ser o melhor para nós mesmos precisamos estar atentos às nossas teorias, às nossas autosabotagens, às nossas absolutas verdades, aos nossos padrões e repetições, que nem sempre são conscientes, mas estão ali, acontecendo dentro e fora da gente, e revejamos ainda, o quanto estamos sendo verdadeiros com nós mesmos e com o nosso processo terapêutico para que ele realmente aconteça. O quanto temos sido capazes de tocar em nós mesmos ou o quanto estamos esperando que outro faça isso diante da própria dificuldade de entrar em autocontato. Afinal, pode ser muito cômodo se fadar ao autoboicote responsabilizando outrém.

Refazendo em si mesmo a habilidade de se responsabilizar pela própria vida passamos a atuar como protagonistas da mesma, o que pode nos levar a refletir em dúvida: não é onde sempre estivemos? Na verdade, não. A psicoterapia também pode ter o papel de nos possibilitar dar essa olhada por dentro e fazer esse caminho de volta, bem como todos os caminhos que quisermos refazer. Poderemos ainda desfazer caminhos, afinal, se tudo é construção, desconstruir pode nos levar a novos lugares que desconhecíamos dentro de nós mesmos.

Restaurar esse papel de importância em nosso “infinito particular” nos faz acreditar de novo em nós mesmos e em como desejamos ficar/ser/estar. Descobrimos um universo que conspira sim, contra ou a favor, mas se estamos do nosso lado e torcida a gente vai ter de volta não apenas o que dá, mas o que permite receber. Se nos considerarmos merecedores de pouco, rapidamente estaremos satisfeitos, mas se quisermos mais será de grande valia não esquecer que olhar para dentro pode nos tornar melhor do que a gente já acredita ser e menos juízes de nós mesmos e do mundo.

Findo dizendo que apesar da intenção ter sido de lhes falar sobre como pode ser transformadora e libertadora a experiência de cuidar de si mesmo, através da psicoterapia, e sobre o quanto amar a si mesmo salva e nos faz viver melhor com quem nos rodeia, não existe receita sobre a vida, além de se permitir vivê-la. Cuidar de si mesmo é só um bom modo de fazer esse caminho ser mais leve, pleno e feliz!

Por Samantha Sandy Rocha – Psicóloga

Cuidarte realiza Natal Solidário com mães carentes

A ação doa kits maternidade em duas cidades do interior e Teresina

No Natal comemoramos o nascimento de Jesus Cristo. O dom da vida é uma dádiva e pensando nisso a Cuidarte realiza uma ação solidária para comemorar a data e irá presentear gestantes em situação de vulnerabilidade social com kits compostos por itens de cuidados básicos para os bebês.

Ao todo, 40 kits maternidade serão entregues nos municípios de São João da Varjota e Ipiranga do Piauí e na Maternidade Dona Evangelina Rosa. Os kits são compostos de fraldas descartáveis, fraldas de pano, toalha, camisetas, kits ‘mijão’ e cueiros, além de banheiras.

“O lema da clínica Cuidarte ‘nossa essência é cuidar’ será colocado em prática nesse Natal de modo especial. Resolvemos, em vez de fazer confraternização no ambiente de trabalho, confraternizar de uma forma diferente. A ideia é levar o espírito da data com carinho e amor a essas famílias que serão beneficiadas.”, pontua Kislley Sá Urtiga, coordenadora da clínica.

Kislley Sá acrescenta ainda que está em sua terceira gravidez e sabe o quanto  mudanças são difíceis. “Há tantas notícias sobre a precaridade da assistência em saúde em nosso país, então quis de alguma forma contribuir com àquelas mães  carentes e que estão cumprindo com regularidade seu pré-natal, mesmo com dificuldade, com um pouco de cuidado, fazendo com que entrem em contato com o bebê através do nosso kit, sinta e perceba a grandeza da graça de ter dois corações batendo em um só corpo”, finaliza.

Afinal o que é empatia?

Empatia significa pensar com os pés dentro do sapato do outro

empatiadentro

Nessa época do final de ano as pessoas ficam mais sensíveis, pensam mais nos outros e é um momento propício para refletirmos sobre a empatia. Então trouxemos um texto do blog Mora na Psicologia que pontua diversas visões desse sentimento. Um dos mais interessantes diz que empatia significar pensar com os pés dentro do sapato do outro.

 

Leia o texto na íntegra:

Sentimento de identificação entre duas pessoas; harmonia interativa.
 
Segundo o publicitário Paulo Rogério Tarsitano…
É a capacidade de nos identificarmos espiritualmente com outras pessoas, experimentar os mesmos sentimentos que elas experimentam ou viver mentalmente situações que desejaríamos experimentar.
Quando outras pessoas ao nosso redor manifestam certos sentimentos, parece natural que tenhamos esse mesmo sentimento. O “sentir com os outros”, constitui o que chamamos de simpatia. Para simpatizarmos inteiramente com outras pessoas é necessário o exercício da imaginação, precisamos nos colocar em seu lugar e encarar as coisas de seu ponto de vista. E para que o processo seja completo precisamos saber como lidar com a situação que influi em nossos amigos; precisamos da experiência na conduta cooperadora.
Empatia significa mais “sentir o que se passa no íntimo”, portanto algo mais profundo que simpatia. “Pode ser que uma pessoa não esteja experimentando nenhum sentimento, mas esteja vivenciando uma situação que despertaria em nós, caso estivéssemos no lugar dela, um sentimento apropriado para aquela situação, identificando-nos com a pessoa. O sentimento da empatia se manifesta no comportamento externo”.
Segundo Freud, “um caminho por via da imitação, conduz da identificação à empatia, isto é, à compreensão do mecanismo pelo qual ficamos capacitados para assumir qualquer atitude em relação à vida mental”.
Segundo o antropólogo Tariq Kamal…
Na filosofia Zen, o conceito de 1ª visão leva ao estar bem com nós mesmos. Dessa forma, cuidar de sua saúde, beleza e bem-estar é essencial. Estar sempre bem tratado, arrumado e vestido confortavelmente e de maneira elegante são maneiras de se sentir bem. Dormir adequadamente, se alimentar corretamente, relaxar e contar até 10 quando irritado.
Agora é hora de exercer a 2ª visão, que é a relação com os outros através da consideração, solidariedade e atenção às suas necessidades. Quando você é sensível àquela pessoa que está abalada, estendendo a sua mão e oferecendo-lhe ajuda, você cativa essa alma. Alegrar um ambiente, motivar quem está ao seu redor, trazer humor e carinho aos outros são provas de empatia. Procure começar dentro de casa, com seus pais, filhos, irmãos ou companheiro. Há um ditado que diz : “É bom ajudar alguém que lhe pede um favor. Melhor ainda é ajudá-lo antes que ele lhe peça…” Isso é sensibilidade! Isso é praticar a Arte da Empatia!
Segundo o R.H. Martin R. Pörtner…
Empatia tem algo de fortemente biológico. Diferente de como alguns pensam, não se pode encená-la. Empatia significa pensar com os pés dentro dos sapatos do outro. (…)
O segredo é contar com o coração. Há em todos nós uma linguagem que sai diretamente de dentro do peito. Encenar é com o cérebro; falar com empatia é coisa do coração. (…)
Segundo o Professor José Roberto Goldim…
Empatia, por sua vez, é olhar com o olhar do outro, é considerar a possibilidade de uma perspectiva diferente da sua. A falta de empatia é desconsideração, é não permitir diferentes percepções. A falta de empatia desconsidera a pessoa em si, os seus valores, o seu sistema de crenças ou os seus desejos. Para alguns a Empatia refere-se a Estética, e não a Ética propriamente dita. Em suma, a Empatia é sentir-se como se sentiria caso se estivesse na situação e circunstâncias experimentadas por uma outra pessoa.
Na Wikipédia…
Empatia é a resposta afetiva vicária a outras pessoas, ou seja, uma resposta afetiva apropriada à situação de outra pessoa, e não à própria situação. Pesquisas indicam que a empatia tem uma resposta humana universal, comprovada fisiologicamente, como se mostra abaixo. Dessa forma a empatia pode ser tomada como causa do comportamento altruísta, uma vez que predispõe o indivíduo a tomar atitudes altruístas.
Fonte: http://moranapsicologia.blogspot.com.br/2006/08/tudo-sobre-empatia.html
Edição: Adriana Lemos

A morte e a vida que levamos

lutodentro

Ainda que a morte seja a única certeza da vida, nossa sociedade é carregada de tabus no que se refere à mesma: “Melhor não falar porque atrai”, “Vamos mudar de assunto?”, “É melhor a gente não conversar sobre isso perto das crianças”, etc.

Falar sobre a morte não irá atraí-la e deixar de falar não nos livrará dela. Nada impedirá que ela se aproxime de cada um de nós, seja direta ou indiretamente. Todos os dias vemos nos noticiários de TV, nas redes sociais e em outros meios de comunicação a morte sendo retratada e repassada sem nenhum cuidado e, muitas vezes, devido à essa banalização, ela simplesmente passa sem que nos aproximemos dela.

Ao nos afastarmos da morte, ignorando-a, passamos a viver à mercê dos acontecimentos e sem desfrutar da vida da melhor forma que poderíamos. Poderíamos: conjugado no futuro do pretérito para ilustrar que podemos estar perdendo tempo. E tempo é vida!

É sobre esse tempo que pode estar sendo desperdiçado que eu gostaria de lhes falar.

Ana Claudia Quintana Arantes em seu livro A morte é um dia que vale a pena viver traz reflexões importantes sobre o processo de viver e morrer. Numa destas, ela diz: “O problema é que caminhamos ao lado de pessoas que pensam que são eternas. Por causa dessa ilusão, vivem suas vidas de modo irresponsável, sem compromisso com o bom, o belo e o verdadeiro, distanciadas da própria essência. (…) Pensam que, se não olharem para o lixo de relação afetiva, o lixo de trabalho, o lixo de vida que preservam a qualquer preço, será como se o lixo não existisse. Mas o lixo se faz presente. Cheira mal, traz desconforto, traz doenças”.

Diante disso lhes pergunto: quantas horas do nosso dia temos tirado para fazer algo que nos dá prazer e nos aproxima de nós mesmos? Sem preocupação excessiva com compromissos financeiros, temporais, laborais ou o que seja? Não estou dizendo que nos afastar das nossas responsabilidades nos dará mais tempo de vida ou mais prazer à vida. Mas onde está a importância que temos dado à qualidade da vida que levamos?

Vou melhorar a pergunta: quantos minutos do nosso dia temos tirado para fazer algo que nos dá prazer e nos aproxima de nós mesmos? Pode ser fazer aquela leitura que você vem adiando, visitar a vizinha que você quase não vê mais, tomar um café com as amigas, caminhar com seu cachorro ou sozinha, por que não?

Então, perceberam que o prazer pode estar nos pequenos movimentos que fazemos em nosso dia-a-dia? São ajustes necessários para que a gente saia do automatismo e respire um pouco, olhe um pouco mais para dentro. Frente a isso vocês devem estar se perguntando: por que começar falando sobre morte?

A resposta é simples: falar de morte é falar de vida, já que a mesma existe não apenas para nos fazer finitos, mas para completar nossa existência e dar sentido a ela. Dependendo, é claro, de como cada um tem preferido ver e viver. Lembrando que viver não é sinônimo de estar vivo, simplesmente. Viver vai muito além de estar acordado.

Falar sobre a morte é a tentativa de demonstrar-lhes que a mesma pode estar sempre iminente, mas temos uma vida para fazer acontecer todos os dias da melhor forma que pudermos, sem perda de tempo!

Por Samantha Carvalho – psicóloga

Morte em família e as crianças

lutodentro

Como agir com os pequenos quando um ser amado morre

É comum  a dúvida de como agir com as crianças nos casos de morte de pessoas próximas. É corriqueiro ainda os responsáveis pelos pequenos relatarem que a morte já ocorreu e que, via de regra, impediram a criança de participar do velório e ritos de despedida do familiar, visando poupá-las do sofrimento. Essa é a forma mais adequada de lidar com situação? Não, não é!

A morte é uma condição humana, como tal é necessário ser vivenciada. A questão na cultura ocidental tem sido cada vez mais negada, o que acaba por gerar mais dor e sofrimento . O mais adequado então é tratar o acontecimento da forma mais natural possível.

O modo como cada um reage a morte do outro é pessoal e internalizado, deixando revelar as vulnerabilidades pessoais a ela associadas. Então as crianças vão reagir conforme aprendem com os adultos em seu seio familiar. O medo da reação dos pequenos é mais dos adultos do que delas. Assim é importante que as crianças tenham contato com perdas, entre elas a morte, para poderem elaborar o luto e assim seguir a vida de modo saudável.

A perda de um ser amado pode ser vivenciada, por exemplo, através da morte de um bicho de estimação. Assim ela vai assimilar que a morte faz parte da vida e que esta tem um ciclo. Outra conduta é deixar a criança participar dos ritos de despedida, falar daquela perda no nível que a criança entenda e permitir a vasão da sua emoção.

Elas conseguem enfrentar quase tudo, desde que lhe digam a verdade e saibam que podem dizer o que estão sentindo e que podem ser confortadas. Por outro lado, se há a negação da morte e dar dor, a criança vai entender que não deve expressar seus sentimentos, sendo assim mais complicado elaborar o luto e aprender a lidar com a perda.

Na hora da morte todos sentem, variando o modo de reação como foi falado, então o mais importante é, passado o momento de crise, a criança voltar a se sentir segura e cuidada. E se todos expressarem o que sentem e se apoaiarem há o conforto e fortalecimento. Assim a vida segue  com a saudade, mas não com dor.

Por Adriana Lemos – Jornalista e psicóloga humanista

Alivie a ansiedade com nossas dicas

Lidar com a Ansiedade não é fácil. As dicas a seguir podem te ajudar durante um momento de crise, mas é fundamental buscar acompanhamento psicológico.

– Controle sua respiração: ansiedade aumenta sua frequência cardíaca. Aprender a controlar a respiração é a chave para se acalmar.

– Escreva: Escrever ajuda a redirecionar os problemas e preocupações, trazendo alívio.

– Converse: Pessoas que têm relações sociais próximas tendem a apresentar menor nível de ansiedade

– Escute música: Ouça as suas músicas preferidas e que te ponham pra cima. Elas vão ajudar a se sentir melhor.

– Mastigue sementes que contenham magnésio, como gergelim e de girassol. Esse nutriente ajuda nosso corpo no controle da ansiedade


Aqui na Cuidarte tem um time de profissionais prontos para ajudar você. Venha nos visitar!

 

Esse e outros conteúdos exclusivos estão disponíveis em nossas redes sociais: @clinicacuidarte  e facebook.com/clinicacuidarte

 

*Fonte: Agência Grafo

Lorena Serra Silva

Lorena Serra Silva, CRP – 21/01805 -PI
Atende adolescentes, adultos e idosos na abordagem TCC. Curso de atualização em atendimento psicológico domiciliar,curso de psico-oncologia (em andamento), curso de avaliação psicológica para pacientes candidatos a cirurgia Bariátrica e  treinamento para pacientes candidatos  a cirurgia Bariátrica (Hospitais das Clinicas) São Paulo. Especialista em Saúde Mental.