‘Higiene do sono’ aumenta desempenho acadêmico de crianças e adolescentes

 

Dois estudos publicados nesta-segunda-feira mostram a importância de boas rotinas — como ler antes de dormir e manter o ambiente quieto — para uma noite de sono adequada.

A “higiene do sono”, que inclui práticas como um ambiente quieto e de temperatura agradável para dormir ou ler antes de ir para a cama para ajudar as crianças a relaxar, é cada vez mais popular entre os pais que querem que seus filhos tenham uma boa noite de descanso. E, agora, duas pesquisas publicadas nesta segunda-feira mostram que dormir bem também trazem benefícios para o desenvolvimento e o desempenho acadêmico das crianças.

— Uma boa higiene do sono dá às crianças uma maior chance de obter um sono adequado e saudável todos os dias, e o sono saudável é crítico para promover o crescimento e desenvolvimento da criança — destaca Wendy Hall, especialista em sono e professora Universidade da Colúmbia Britânica (UBS, na sigla em inglês), Canadá, que liderou uma revisão de estudos ligados ao assunto publicada nesta segunda-feira no periódico científico “Paediatric Respiratory Reviews”. — As pesquisas nos mostram que as crianças que não dormem o bastante de forma consistente têm mais chances de ter problemas na escola e se desenvolvem mais lentamente que suas colegas que dormem o suficiente.

Atualmente, a Academia Americana de Medicina do Sono recomenda os seguintes períodos de sono diário, dependendo da faixa etária: quatro a 12 meses de idade, deve-se dormir de 12 a 16 horas; entre 1 e 2 anos, de 11 a 14 horas de dono; de 3 a 5 anos, de dez a 13 horas; de 6 a 12 anos, de nove a 12 horas; e, de 13 a 18 anos de idade, de oito a dez horas de sono.

Na revisão, os pesquisadores da UBC analisaram sistematicamente 44 estudos de 16 países sobre as práticas e resultados da higiene do sono em diferentes culturas, envolvendo um total de quase 300 mil crianças da América do Norte, Europa e Ásia, com foco em quatro grupos etários: bebês e crianças pequenas (quatro meses a dois anos de idade); crianças em idade pré-escolar (três a cinco anos); crianças em idade escolar (seis a 12 anos); e adolescentes (13 a 18 anos).

— Encontramos de boa a forte comprovação do benefício (para ter uma boa noite de sono) de certas práticas de higiene do sono para crianças mais novas e em idade escolar: horários regulares de ir para a cama, ter um quarto silencioso e o “autoapaziguamento”, em que elas próprias têm a oportunidade de dormir ou voltarem a dormir sozinhas se acordarem no meio da noite — acrescenta Wendy.

Mas mesmo para crianças mais velhas ter um horário definido para ir para a cama é importante. A revisão encontrou estudos mostrando que adolescentes cujos pais tinham regras rigorosas sobre seu sono dormiam melhor que crianças cujos pais não estabeleciam qualquer regra.

Wendy e sua coautora, Elizabeth Nethery, que faz doutorado na UBC, também encontrou extensas evidências de sono melhor com a limitação do uso de tecnologia antes de dormir ou durante a noite. Estudos do Japão, Nova Zelândia e EUA mostraram que quanto mais expostas as crianças a meios eletrônicos durante a noite, menos elas dormiam.

— Um grande problema com crianças em idade escolar é que elas podem demorar muito a dormir, então evitar atividades como jogar videogames ou assistir a filmes de ação antes de ir para a cama é importante — diz Wendy.

Fonte: O Globo

Siga-nos e curta: