Como identificar as emoções e sentimentos

Experienciando e expressando emoção

As emoções fazem parte do nosso dia a dia. Às vezes, pode parecer que nossos sentimentos controlam como pensamos e agimos a ponto de sentir que não estamos no controle. Experimentar e expressar emoções são partes integrais da vida. Mas, para muitas pessoas, as emoções permanecem misteriosas, confusas e difíceis de expressar construtivamente.

Aceitando e valorizando seus sentimentos
Freqüentemente, existe um forte relacionamento entre os eventos da sua vida e seus sentimentos – por exemplo, sentir tristeza em resposta à perda ou sentir felicidade em resposta a algo desejável. Às vezes, os sentimentos se relacionam com eventos passados ou mesmo com expectativas para o futuro. Por exemplo, a mágoa por algo que aconteceu recentemente pode trazer tristeza a outras perdas passadas. Muitos estudantes podem se sentir ansiosos com suas futuras escolhas de carreira. Em vez de ignorar ou expressar impulsivamente seus sentimentos, é importante pensar neles para que você possa aprender e melhorar suas reações. Quando estiver sentindo alguma coisa, considere se perguntar os seguintes tipos de perguntas:

O que é esse sentimento?

O que esse sentimento está me dizendo sobre essa situação?

Por que esse sentimento está acontecendo agora?

Identificando Sentimentos
Aprender a identificar a conexão entre seus sentimentos e eventos específicos (ou estressores) em sua vida pode levar tempo, mas é importante aprender a lidar com as emoções de maneira saudável. Aqui estão algumas coisas a considerar ao aprender a identificar seus sentimentos:

Você pode perceber uma reação física ou corporal a uma emoção (por exemplo, o medo pode parecer um nó no estômago ou um aperto na garganta; o embaraço pode fazer com que corar).

Suas respostas corporais podem indicar um padrão (por exemplo, sentir-se nervoso antes de iniciar todos os exames).

Os sentimentos também estão conectados ao seu comportamento. Se você não tem certeza de como se sente, mas percebe que está agindo de maneira a enviar uma mensagem clara a outras pessoas, pode deduzir o que está sentindo com seu comportamento. Por exemplo, se você tem uma expressão facial de raiva ou tom de voz quando está conversando com um amigo em particular, pode ser que você esteja com raiva ou frustrado com essa pessoa sem reconhecê-lo. Fazer a conexão entre os eventos da vida e seus sentimentos é muito útil. Continuando com o mesmo exemplo, depois de reconhecer seus sentimentos, você poderá entender e articular mais claramente suas preocupações com seu amigo.

Interpretações e percepções
Muitas vezes, os sentimentos se relacionam mais às suas interpretações dos eventos do que aos próprios eventos. Embora seja natural pensar que você está respondendo apenas aos eventos da sua vida, você faz interpretações ou julgamentos desses eventos com base em suas percepções do evento ou da pessoa. Quando você para, para pensar sobre isso, cada evento pode gerar uma variedade de respostas emocionais; sua interpretação ajuda a vincular uma resposta emocional específica a esse evento.

Suas interpretações podem parecer tão rápidas (ou automáticas) que você pode não perceber que elas estão acontecendo. Quando sua reação emocional é desproporcional ao evento, provavelmente é devido à sua interpretação rápida e não detectada desse evento, mais do que ao próprio evento. Examinar isso ainda mais pode ajudá-lo a ter uma perspectiva de suas reações emocionais. Aqui estão algumas interpretações autodestrutivas comuns e recorrentes:

Pensamento dicotômico. Dessa maneira, você interpreta os eventos como extremos (tudo ou nada). Em outras palavras, os eventos são maravilhosos ou terríveis, sem o reconhecimento das áreas cinzentas intermediárias.

Personalização excessiva. Aqui, alguém conclui que o comportamento ou o humor de outra pessoa é por causa deles. Portanto, quando um amigo está de mau humor, a pessoa assume que deve ser culpa deles.

Generalização. É quando alguém dá mais impacto a algo do que realmente tem. Por exemplo, alguém pode assumir que é um aluno horrível porque se sai mal em um teste.

Filtragem. É quando ampliamos eventos negativos e descontamos eventos positivos. Por exemplo, um aluno só pode prestar atenção a um comentário negativo após uma apresentação em classe, em vez de considerar muitos outros comentários positivos.

Raciocínio emocional. Isso envolve confundir suas emoções com a verdade. Por exemplo, se você se sentir sozinho, determina que não é digno de relacionamentos ou amigos. Reconhecer essas tendências autodestrutivas pode ser difícil, mas não o define como pessoa. Eles podem nos ajudar a aprender a expressar nossos sentimentos com mais precisão e produtividade.

Expressando seus sentimentos
Antecedentes culturais, valores familiares e muitos outros fatores podem influenciar a maneira como expressamos emoções. Normalmente, aprendemos a expressar nossas emoções de duas maneiras principais: expressá-las diretamente para outra pessoa (por exemplo, em um confronto pessoal) ou ocultar os sentimentos e mantê-los para nós mesmos. Aprender maneiras de expressar nossas emoções que estão alinhadas com nossos valores culturais, enquanto ainda atendemos às nossas necessidades e sentimentos, pode ser útil tanto para nós mesmos quanto para o relacionamento com os outros.

Por exemplo, considere o cenário de um amigo próximo planejando se mudar para longe. Você pode se sentir triste, decepcionado ou até frustrado com essa mudança. Existem várias maneiras de você reagir:

Você pode estar tão chateado que deseja evitar o amigo até que ele se mexa.

Você pode ficar ocupado, ou ansiosamente buscar novas amizades para não se sentir sozinho ou triste.

No entanto, você também tem opções para expressar suas emoções de forma mais produtiva:

Você pode dizer ao seu amigo que sentirá falta dele.

Você pode fazer um esforço especial para vê-los mais antes de se mudarem.

Aqui estão algumas perguntas úteis a serem consideradas ao decidir como responder aos seus sentimentos:

A intensidade dos meus sentimentos corresponde à situação?

Tenho vários sentimentos aos quais preciso prestar atenção?

Que interpretações ou julgamentos estou fazendo sobre esse evento?

Quais são as minhas opções para expressar meus sentimentos?

Quais são as consequências de cada opção para mim?

Quais são as consequências de cada opção para os outros?

Que resultado estou esperando?

O que eu quero fazer?

E se eu não fizer nada?

Mesmo fazendo algo como respirar fundo ou dar um passeio para pensar pode ser uma maneira de responder aos seus sentimentos. Lembre-se de que você tem muitas opções para expressar emoções.

Compreendendo o impacto de sua cultura e família
Como mencionado anteriormente, nossas famílias e antecedentes culturais ajudam a moldar nossas atitudes sobre emoções, nossas habilidades para identificar emoções, nossos modos de interpretar eventos e nossos modos de expressar emoções. Muitas pessoas não se lembram de ter aprendido “regras familiares” sobre emoções, mas esses ensinamentos ocorreram, direta ou sutilmente. Um exemplo sutil pode ser o lugar em que os pais se distanciavam de você ou saíam da sala sempre que ficava com raiva, indicando que as expressões de raiva eram inaceitáveis. Em outras famílias, os pais podem gritar: “Não levante a voz para mim”, sugerindo uma regra contra a expressão de raiva da criança, mas transmitindo sutilmente a regra de que expressões de raiva dos pais são permitidas. Às vezes, aprender ou identificar as regras de sua família e cultura pode ajudar você a começar a reconhecer suas próprias reações e a fazer mudanças.

Alguns exemplos comuns de regras aprendidas / improdutivas para emoções:

Sempre trate os sentimentos de outras pessoas como mais importantes que os seus.

Nunca faça nada que possa causar conflito ou sentimentos negativos por outra pessoa.

Não expresse raiva.

Use a raiva para chamar atenção.

Ignore seus sentimentos.

Não confie nos outros com seus sentimentos; guarde-os para si mesmo.

Nunca confie em seus sentimentos; confie apenas na sua lógica.

Seja feliz o tempo todo.

Às vezes, também aprendemos reações emocionais “aceitáveis” baseadas em nosso gênero ou identidade sexual de nossas famílias quando, na realidade, uma expressão emocional saudável é importante para todos. Como adulto, você tem mais opções, incluindo a substituição das regras que não são úteis.

Aprender a experimentar seus sentimentos plenamente e expressá-los de maneira adaptativa e saudável não é um processo simples, mas existem alguns componentes-chave que podem ajudar. Em geral, é importante tornar-se um bom observador de seus sentimentos, aceitá-los e valorizá-los e atender ao que eles sinalizam para você. Preste atenção em como suas interpretações e pensamentos afetam como você se sente e também como as lições aprendidas em sua família sobre expressão emocional continuam a influenciar seu comportamento. Ao decidir como expressar como se sente, pense em todas as suas opções. E o mais importante, seja paciente. Não fique desanimado quando se deparar com esse processo. Aprender a experimentar e expressar suas emoções é um processo ao longo da vida.

***

Artigo originalmente publicado no site da Universidade de Illinois (EUA) livremente traduzido e adaptado pela equipe do Instituto Bem do Estar.

Fonte: bemdoestar

Siga-nos e curta: