Frustração sexual entre casais está ligada ao ‘fast sexo’

51% dos brasileiros estão insatisfeitos com a vida sexual, aponta pesquisa.

Mais da metade dos brasileiros (51%) estão insatisfeitos com a vida sexual. Pelo menos é isso que indica o último estudo feito pela Durex Global Sex Survey que revela também que 62% dos homens sentem dificuldade em manter uma ereção e somente 22% das mulheres alcançam o orgasmo quando tem relações sexuais.

A especialista explicou que a maioria dos casais têm relações sexuais rápidas e dedicam pouco tempo às preliminares. Isso gera, segundo ela, frustração.

Mônica contou que o que mais observa no dia-a-dia do consultório são pessoas, de ambos os sexos, com desinteresse sexual. Nesse contexto, ela entende que o álcool, o tabagismo, excesso de café, até mesmo o açúcar são as “drogas do prazer” que podem reduzir a vitalidade sexual, assim como muitos produtos farmacêuticos. “A sexualidade tem relevância legitimada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que a reconhece como um dos pilares da qualidade de vida. O sexo está ao lado da satisfação com o trabalho, a convivência com a família e o lazer. Com isso, dá para ver a importância dele na vida do ser humano”, afirmou.

Para dar sustentação aos posicionamentos dela, a especialista citou um estudo da psiquiatra Carmita Abdo, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo – Projeto Sexualidade (ProSex). A análise revelou que a satisfação com a vida está diretamente relacionada ao sexo. Para os homens, 58,8% consideram muito importante o sexo para a vida e 50,4 % das mulheres também consideram importante. E 31,7% dos homens classificam sua vida sexual excelente. Já as mulheres são 32,2 % . O restante relata na pesquisa que estão mais ou menos satisfeitos ou não satisfeitos. “Particularmente, considero isso assustador”, comentou Lima.

A especialista acrescentou que a insatisfação sexual pode estar relacionada às mudanças hormonais e também questões relacionadas à autoestima, em especial da mulher. “Não se sentir mais atraente, rejeitar o próprio corpo, tudo isso diminui o apetite sexual e empurra a pessoa para uma situação onde ela simplesmente se acomoda com o fato de não fazer sexo. O homem também pode passar por essa incômoda situação se sentir o peso da crise da meia idade. Esta acomodação, no entanto, não quer dizer que eles estejam felizes com essa situação”, completou.

Relacionamento sem sexo
A especialista afirmou que o sexo é a primeira coisa que se deixa para amanhã nos relacionamentos e esse amanhã pode demorar chegar. Isso acontece quando a lista de afazeres do casal ou de um deles é extensa.

Mônica comentou que com isso, o sexo deixa de ser prioridade até simplesmente se tornar um evento raro na vida de alguns casais.

Ela justificou a opinião citando um estudo realizado pelo Ministério da Saúde, em 2008, que revelou que 11% das pessoas que mantinham um relacionamento estável não haviam tido relações sexuais no período de um ano. “Vejo que esse é um dos motivos que o número de traições vem aumentando a cada dia, visto que alguém pode se aproximar e fazer um ou outro reviver os prazeres da vida”, comentou.

Sexo na terceira idade
Mônica explicou que no começo dos anos 40, por exemplo, era considerada velha uma pessoa de pouco mais de 50 anos de idade, já que a expectativa de vida da população brasileira era de 45 anos. Hoje, essa expectativa subiu para 71 anos.

A especialista comentou que o mito mais popular é que o envelhecimento traz impotência sexual, mas que médicos, psicólogos e sexólogos já desmitificaram esse assunto. “É possível, sim, um idoso fazer bom uso de sua sexualidade, claro que de formas diferentes, não mais com aquele vigor da juventude, porém com mais carinho e sutileza”, disse.

Qual a saída?
Para não chegar ao limite e deixar o sexo e consequentemente a qualidade de vida de lado, Mônica orienta aos casais a refletirem sobre a vida e tirar tempo para viver os prazeres. “O dialogo é essencial, pois por meio dele os casais podem definir se a insatisfação poderá ser superada ou não, e, claro, se estão dispostos a melhorar essa situação”, disse.

Para a especialista, o stress, o trabalho em excesso e problemas financeiros podem interferir na energia sexual. “ Um bom exercício é o autotoque. Navegue no seu corpo, descubra os pontos do prazer e se deleite. Olhe para seu parceiro ou parceira e estimule a troca de caricias. Dê o direito de sentir prazer e proporcionar prazer ao outro. Se for preciso, procure ajuda de um especialista que saberá abordar esse assunto com o casal”, afirmou.

Mônica aproveitou para esclarecer a diferença de sexo e sexualidade e a importância dos dois na qualidade de vida. “O termo sexualidade refere-se ao lado afetivo e faz parte do nosso dia a dia. É nossa maneira de ser e vivenciar tudo que a vida possa nos oferecer. Então, posso dizer que sexo é uma das maneiras que expressamos nossa sexualidade, porém não a única. Por outro lado, o termo sexo é empregado para designar a parte biológica do indivíduo, ou seja, ter uma identidade sexual”, concluiu.

Fonte: G1

Siga-nos e curta: